Português Italian English Spanish

Reforço da Pfizer após CoronaVac aumenta eficácia para 92,7%, aponta estudo com dados brasileiros na 'Nature'

Reforço da Pfizer após CoronaVac aumenta eficácia para 92,7%, aponta estudo com dados brasileiros na 'Nature'


Cientistas analisaram informações de 14 milhões de pessoas, que foram extraídas do banco de dados do Ministério da Saúde.

Por g1

Frascos das vacinas Pfizer, CoronaVac, AstraZeneca e Janssen, aplicadas em Porto Alegre — Foto: Cristine Rochol/PMPA/Divulgação

Frascos das vacinas Pfizer, CoronaVac, AstraZeneca e Janssen, aplicadas em Porto Alegre — Foto: Cristine Rochol/PMPA/Divulgação

Uma dose de reforço da vacina da Pfizer/BioNTech após as duas doses da CoronaVac aumenta a eficácia contra infecções do coronavírus para 92,7%. Os dados foram publicados nesta quarta-feira (9) pela revista "Nature", sendo que os pesquisadores analisaram informações de 14 milhões de pessoas no Brasil.

 

  • Os estudos anteriores com a CoronaVac apontam que, em comparação com não vacinados, de duas semanas a um mês após a aplicação, as duas doses da vacina têm uma eficácia 55% contra a doença e de 82,1% contra casos graves;
  • No entanto, após 180 dias, a eficácia contra a infecção do coronavírus cai para 34,7% e, contra casos graves, para 72,5%;
  • O que o estudo desta quarta-feira confirma é que um reforço da vacina da Pfizer - estratégia já adotada e relatada em outras pesquisas como a melhor opção - melhora a taxa de eficácia contra o vírus para 92,7% e, contra casos graves da doença, para 97,3%.
  • "Nossos resultados apoiam uma dose de reforço da vacina BNT162b2 [Pfizer/BioNTech] após duas doses da CoronaVac, particularmente para idosos. Os indivíduos com 80 anos ou mais tiveram proteção menor após a segunda dose, mas uma proteção semelhante após o reforço", disseram os autores.
  • O estudo é assinado por 14 pesquisadores das Universidades Federais da Bahia (UFBA), do Rio de Janeiro (UFRJ), da Universidade de Brasília (UNB), do Instituto Gonçalo Moniz (Fiocruz Bahia) e da Universidade de Glasgow, no Reino Unido. As informações da pesquisa foram extraídas da base de dados do Ministério da Saúde.