Português Italian English Spanish

Policiais penais denunciam descaso nas unidades prisionais de MT; raio tem esgoto a céu aberto

Policiais penais denunciam descaso nas unidades prisionais de MT; raio tem esgoto a céu aberto


Segundo os policias penais da Penitenciária Central do Estado (PCE), o esgoto atingiu um novo espaço e o lado de fora da prisão.

Por g1 MT

Os policiais penais de Mato Grosso, que estão de greve desde a última quinta-feira (16), denunciaram, nesta segunda-feira (20), o descaso do governo nas unidades prisionais do estado. De acordo com eles, um raio recém inaugurado na Penitenciária Central do Estado (PCE) tem esgoto a céu aberto.

A Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp), informou que o problema já foi identificado e que na tarde desta segunda-feira (20) irá fazer a manutenção. Disse ainda que os referidos raios são estruturas antigas da unidade e não novos.

De acordo com o Sindicato dos Servidores Penitenciários de Mato Grosso (Sindspen), o raio dois foi inaugurado há aproximadamente sete meses e desde sábado (18), um cano estourou fazendo com que o esgoto se espalhasse pelos banheiros.

Penitenciária Central do Estado (PCE) possui esgoto a céu aberto em volta da unidade — Foto: Reprodução

Penitenciária Central do Estado (PCE) possui esgoto a céu aberto em volta da unidade — Foto: Reprodução

Os policiais contaram que não é possível entrar nos banheiros e que estão evitando ficar no local, já que o esgoto pode causar riscos à saúde deles e aos presidiários.

"O esgoto foi pra dentro do raio e fora da PCE também, e pode causar um perigo para os reeducandos e para os servidores", disse um policial penal.

 

Policiais penais denunciam esgoto na PCE — Foto: Reprodução

Policiais penais denunciam esgoto na PCE — Foto: Reprodução

Além disso, no entorno da PCE também há esgoto. De acordo com o Sindspen, a Sesp já foi avisada do problema.

 

Melhores salários

 

Os policiais penais de Mato Grosso entraram em greve para cobrar melhores salários. Eles realizaram uma assembleia e votaram a favor da paralisação. A categoria cobra a valorização salarial e equiparação da remuneração com a de outras categorias da Segurança Pública.

As unidades prisionais não estão recebendo novos presos. Além disso, visitas, banho de sol e visita de advogados nas penitenciárias foram suspensas.

Foram suspensas também as atividades extras, atendimento judicial e de saúde, escoltas, recebimento de mercadoria, entrada de qualquer veículo e saída de presos para trabalhos fora das penitenciárias.

Ao todo, em Mato Grosso são 3 mil policiais penais.

 

Retorno ao trabalho

 

A desembargadora Antônia Siqueira Gonçalves concedeu liminar ao estado, na última sexta-feira (17), e determinou que os trabalhadores do sistema penitenciário retornassem imediatamente às suas atividades.

Caso desobedeçam, os grevistas terão que pagar multa de R$ 100 mil por cada dia de paralisação.

Os policias ainda não retornaram ao trabalho. De acordo com o Sindspen, eles continuam em greve, nesta segunda-feira (20), e só estão atendendo o essencial. O sindicato disse ainda que eles não foram notificados sobre a liminar.