Português Italian English Spanish

Morre no hospital jovem que levou tiro na testa; marido tirou a própria vida após o crime

Morre no hospital jovem que levou tiro na testa; marido tirou a própria vida após o crime


Vítima estava internada no Hospital Regional de Cáceres desde o último dia 18 de janeiro.

APARECIDO CARMO
DO REPÓRTER MT

Reprodução

Vítima estava internada em estado muito grave desde o último dia 18 de janeiro.

Morreu a jovem Ludmilla Andrade, de 24 anos, que estava internada em estado grave desde que seu marido deu um tiro em sua cabeça, antes de cometer suicídio, em Mirassol D’Oeste, no dia 18 de janeiro. A informação foi confirmada pela Delegacia de Polícia da cidade.

Segundo a Polícia Civil, a mulher foi encontrada em casa com um tiro na testa, de uma arma calibre .380. Mateus Alexandre Ranzulla, de 28 anos, autor do disparo contra a mulher, atirou contra a própria cabeça logo em seguida.

Ambos foram socorridos com vida, mas depois de 20 minutos de atendimento médico, foi constatado o óbito do atirador. Ludmilla chegou a ser transferida em estado muito grave para o Hospital Regional de Cáceres.

 

De acordo com a Polícia, Mateus tinha registro de CAC (colecionador, atirador específico e caçador) e tinha uma arma Taurus calibre .380.

 

Nas redes sociais, a irmã de Ludmilla, Letícia Andrade, confirmou o falecimento e lamentou a perda.

“Meu amorzinho faleceu nessa noite. Lud está sendo velada na Capela Central. Agora nosso eterno anjinho”, publicou no Instagram. “Sepultamento será as 16h na Pax Central na Avenida”, completou.

Horas antes, amigos compartilhavam mensagens de esperança pela sua recuperação, seis dias após o crime.

“Deus é deus. Deus faz! Orem pela vida de Ludmilla para que Deus opere sobre sua vida. Eu creio na graça de Deus e que Ele realiza milagres”, havia escrito Janaína Patrícia.

É o terceiro caso de fiminicídio de grande repercussão no estado apenas no mês de janeiro. Além de Ludmilla, foram mortas a advogada Thays Machado, morta a tiros pelo empresário Carlinhos Bezerra, e Maria de Almeida Gonçalves, degolada pelo companheiro no bairro Pedra 90.