Português Italian English Spanish

Famílias de baixa renda podem pedir nova parabólica de forma gratuita após chegada do 5G em Cuiabá; veja como

Famílias de baixa renda podem pedir nova parabólica de forma gratuita após chegada do 5G em Cuiabá; veja como


Mudança acontece porque a nova tecnologia usa a mesma frequência das antenas, o que pode gerar interferência; benefício contempla as famílias inscritas no CadÚnico e que solicitarem o kit pelo site.

Por Luiz Gonzaga Neto, TV Centro América

Nova antena parabólica digital: troca necessária para evitar interferências — Foto: Reprodução/TV Globo

Nova antena parabólica digital: troca necessária para evitar interferências — Foto: Reprodução/TV Globo

As famílias de baixa renda inscritas no programa social do governo federal, Cadastro Único (CadÚnico), podem receber uma nova parabólica de forma gratuita porque as antenas usam a mesma frequência do 5G e, com o tempo, a imagem vai ficar ruim até sair do ar.

O sinal foi liberado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a partir desta segunda-feira (19). Na capital, a conexão abrange 88 bairros por meio das empresas de telecomunicação Tim, Claro e Vivo. O caso das antenas se assemelha à mudança do analógico para o digital.

O serviço não será ofertado por meio de telefone, portanto, as famílias que queiram receber a nova parabólica deverão formalizar um pedido pelo site ou pelo telefone 0800 729 2404.

Por que mudar as antenas?

 

A chegada do 5G interfere diretamente no sinal das parabólicas. Quando a conexão estiver funcionando como previsto, a imagem delas vai ficar ruim até sair do ar, sendo necessário a troca do equipamento.

O sinal ainda está fraco porque exige um número maior de antenas e as operadoras estão usando as torres do 4G, que já existem. A instalação de novas antenas depende de uma atualização da lei de ocupação do solo do município.

A prefeitura de Cuiabá enviou um projeto de lei para a Câmara de Vereadores no dia 5 de setembro. A votação da proposta está prevista para ser apreciada nessa terça-feira (20). Caso a lei seja aprovada, as operadores poderão pedir as licenças e instalar as antenas necessárias para a conexão.